Como funciona a prensa francesa

 

Depois de voltar para casa com a prensa francesa da Kitchenaid, já era hora de testá-la por aqui 🙂

Ao longo do tempo e desde que saí da casa dos meus pais, meu paladar em relação ao café caseiro evoluiu muito. Antes eu odiava, achava muito forte e amargo… depois passei a tomar com leite; em uma outra etapa da vida, passei a tomar café espresso, mas só depois do almoço.

Atualmente, o ato de tomar café tornou-se um ritual na minha casa principalmente aos finais de semana. Curto muito fazer o meu próprio café na varanda, ouvindo música sem pressa nenhuma para tirar o pijama. Às vezes faço pão de queijo para acompanhar, em outras pão na chapa… tudo depende da disposição. E a prensa francesa só melhorou esse hábito e ritual do café.

img_2901

A prensa francesa é super prática e fácil de manusear e permite fazer um café totalmente personalizado de acordo com a qualidade, quantidade de grãos e a intensidade da mistura com a água.

img_2903

Eu comprei grãos de café para moer na hora, o que deixa tudo ainda mais fresco. Usando o mixer manual, os grãos ficaram assim:

img_2913

Depois, é só combinar a quantidade de grãos de café com água. Para ajudar, essa prensa francesa tem uma balança digital que pesa o café e a água.

img_2905

Além disso, com o timer é possível controlar o tempo para o preparo sem se preocupar em contar no relógio. Seguindo o manual, em aproximadamente 4 minutos é possível ter a mistura de um café quentinho e super saboroso. O aroma de café se espalha pela casa… tem cheirinho melhor do que esse logo pela manhã?

img_2908

fullsizerender-13

E aí, o que achou? Este lançamento já está disponível para venda, a partir de R$ 559 no site da Kitchenaid.
Super recomendo a prensa francesa… os conceitos de café caseiro começaram a mudar desde que ela chegou por aqui 🙂
Se tiver alguma dúvida ou sugestão, é só escrever aqui nos comentários!

    Paulista de sotaque e raízes caipiras. Aquariana, corinthiana, administradora, eterna romântica e dona de casa amante de panos de prato, potinhos e canecas. Um pouco fotógrafa, aprendiz de escritora, cozinheira em evolução e sempre otimista. Dramática e criativa, atravessando os 30 com histórias [quase] normais.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    *
    *