Na cozinha

Petit gateau na airfryer

Hoje é dia de testar o Petit gateau na airfryer, uma receita nova que já é um sucesso em todos os aspectos. Simplesmente fácil, prático, delicioso e muito rápido para fazer. Ou seja, você precisa testar essa receita o quanto antes!

Eu que não tenho muita prática na airfyer, consegui fazer e o resultado surpreendeu. É uma sobremesa muito prática para servir para seus convidados pós refeição com um sorvete para acompanhar. E vale a pena usar a criatividade para servir: ramequim, forma de bolo ou então do jeito que você quiser.

Então, vem conferir o passo a passo dessa delícia.

Petit gateau na airfryer

Ingredientes:
90 g de chocolate ao leite, picado
1/2 xícara de chá de manteiga sem sal
2 ovos grandes
1/2 xícara de chá de açúcar
1 xícara de farinha de trigo peneirada

Modo de fazer:
Primeiramente, aqueça a air fryer a 200°C por 8 minutos.

Em seguida, coloque o chocolate e a manteiga numa tigela e leve para derreter no micro-ondas ou em banho maria até o chocolate derreter e se misturar à manteiga em um creme homogêneo. Reserve.

Em outra tigela, bata os ovos com o açúcar até formar um creme. Então, junte o chocolate derretido e misture bem. Em seguida, adicione a farinha aos poucos e incorpore delicadamente com espátula.

Sirva a massa em ramequins untados com óleo (por aqui esta receita rendeu 4 bolinhos) e leve para assar por aproximadamente 10 minutos a 200 graus.

Enfim, sirva a seguir nos próprios ramequins com uma bola de sorvete por cima que o resultado será surpreendente. Vale a pena fazer uma cobertura de chocolate também, para deixar a sobremesa ainda mais cremosa.

Petit gateau na airfryer

Petit gateau na airfryer

E então, o que achou desta receita? Conta aqui!

Acompanhe também a Casa da Caubi nas redes sociais e não perca nada porque sempre tem coisa boa por aí:
Blog: casadacaubi.com.br
Instagram: @casadacaubi
Facebook: /casadacaubi
Pinterest: casadacaubi
Youtube: casadacaubi

SobreCaubi

Paulista de sotaque e raízes caipiras. Aquariana, corinthiana, administradora, louca das plantas, eterna romântica e dona de casa amante de panos de prato, potinhos e canecas. Um pouco fotógrafa, aprendiz de escritora, cozinheira em evolução, artesã nas horas vagas e sempre otimista. Dramática e criativa, atravessando os 30 com histórias [quase] normais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *