Pipoca doce para a Copa

 

Que tal começar o dia na torcida? Hoje tem jogo do Brasil na Copa do Mundo e a torcida por aqui está forte! A San preparou uma receita super saborosa e fácil de fazer de pipoca doce pra ajudar a mandar as boas vibrações pra nossa selação. Veja como fazer e vamos nos unir no pensamento positivo!

Ingredientes:
1/2 xícara de milho para pipoca
1/2 xícara de açúcar
1/2 xícara de água
2 colheres de sopa de óleo
Corante até chegar na cor desejada

Modo de fazer:
Em uma pipoqueira coloque todos os ingredientes, o milho, o óleo, a água, o açúcar e o corante. Misture bem, feche a pipoqueira e mexa por mais ou menos 10 minutos (demora mesmo).

Mexa bem, para não grudar no fundo até estourar toda a pipoca e coloque em um refratário de vidro ou alumínio e espere esfriar. Está pronta para servir e torcer.

E aí, o que achou dessa receita pra torcer e dar sorte para o Brasil? 🙂

    Copa do Mundo para receber

     

    E foi dada a largada para a Copa do Mundo 2018! Hoje começa um dos maiores espetáculos do planeta e é claro que este blog não poderia ficar de fora! Fiz algumas decorações especiais para esta época que a gente ama para que você possa receber a família e os amigos em casa e torcer pelo Brasil. Usando muita criatividade e pouco dinheiro, é possível tornar a sua casa um cenário perfeito pra celebrar.

    Começando pelas bandeirinhas: já que é época de Copa do Mundo e Festa Junina, porque não unir o útil ao agradável? Escolhi algumas bandeiras com as cores do Brasil e outras coloridas e este foi o resultado, uma mistura de alegria com cores. Aproveitando esta união, a toalha de mesa seguiu a mesma ideia. Escolhi uma toalha com as cores do Brasil e de tecido de chita, que lembra muito os arraiás que a gente vê por aí.

    E este foi o resultado de uma mesa para reunir a turma para um churrasco em casa. Como o primeiro jogo do Brasil acontece em um domingo às 15h, que tal aproveitar para fazer aquele almoço delicioso? Por aqui vai rolar um churrasco entre amigos e esta é uma prévia da mesa.

    Escolhi os pratos de acordo com as cores da bandeira do Brasil e os talheres dourados ajudam na energia pra trazer a taça pra gente!

    E os detalhes da mesa: na tábua com temperos em tons de azul e o bonequinho de um jogador de futebol. Dá pra pegar bonequinhos das crianças, brinquedos ou enfeites variados e dar aquele toque ainda mais divertido e temático à decoração. Esse Neymar aqui da foto, minha tia encontrou no supermercado por R$ 3 e fez toda a diferença neste detalhe né?

    E as flores não podem faltar nunca por aqui. Amarelo e verde em vasos azuis, além de pimentas para espantar qualquer azar dentro e fora do campo.

    Também encontrei esses canudos de papel que os convidados podem usar à vontade e dão aquele charme especial. E do lado de tudo isso, que tal uma camisa para torcer junto à mesa?

    Já para a mesa dos doces, a ideia foi a mesma: coisinhas simples e coloridas em verde, amarelo e azul. A toalha escolhida também foi de chita só que desta vez em amarelo. Para dar um destaque, coloquei outra toalha por cima menor em xadrez de azul. Não podemos ter medo de ousar. Vale a pena testar tudo e conferir o resultado sem medo de ser feliz!

    O mesmo boneco do Neymar foi pra dentro de casa e se juntou ao time dos brigadeiros: com granulado verde e amarelo, eles dão o tom à bandeja azul. Logo ali, uma bowl de bola de futebol com outras mini bolas, todas de chocolate pra adoçar o intervalo do jogo.

    Com cornetas e vuvuzelas, a mesa está completa. Basta cada um pegar a sua e se juntar para gritar o GOL!!

    E os confeitos de chocolate também estão presentes. Em potinhos transparentes, estes detalhes fazem a diferença para chamar a atenção para a mesa e convidar as pessoas a se deliciar com tantos docinhos. Está tudo pronto para se reunir, festejar e torcer muito!

    E aí, o que achou destas dicas? Agora é só reunir a galera e preparar a torcida! 🙂

      Sabores ajinomoto: receitas brasileiras

       

      A convite da Ajinomoto, ontem tive o prazer em conhecer um projeto incrível: a cozinha dos Chefs Especiais, que promove a inclusão e capacitação de pessoas com Síndrome de Down. O projeto tem como objetivo ser facilitador de autonomia e oportunidades, promovendo o desenvolvimento humano e a valorização, para que essa expectativa de vida se eleve cada dia mais.

      E a parceria entre Chefs Especiais e Ajinomoto rendeu um monte de delícias. Com a ajuda do Chef Guga Rocha e da Chef Luiza, eu e um grupo de pessoas pudemos nos reunir na cozinha ~ um dos meus lugares favoritos da casa ~ e aprender delícias nordestinas em uma noite super agradável.

      Veja abaixo o passo a passo de três receitas super diferentes para testar por aí também.

      Espetinho de banana com queijo coalho

      Ingredientes:
      3 espetos de queijo de coalho, cortados em cubos (200 g)
      Rodelas de 1 banana-da-terra ou banana-prata cortadas ao meio
      1/2 xícara de chá de açúcar
      1 xícara de chá de suco de laranja (200 ml)
      2 colheres de sopa de SATIS!® Molho Shoyu Tradicional

      Modo de fazer:
      Monte 5 espetinhos em palitos para churrasco, intercalando o queijo e a banana.

      Leve uma frigideira grande ao fogo alto e frite os espetinhos por cerca de 2 minutos de cada lado, ou até o queijo ficar dourado. Reserve-os aquecidos.

      Em uma panela pequena, coloque o açúcar e leve ao fogo baixo, sem mexer, por 2 minutos, ou até o açúcar derreter e caramelizar. Junte o suco de laranja, aos poucos, e mexa por 5 minutos, ou até encorpar bem. Acrescente o SATIS!® e misture bem. Retire do fogo, regue os espetinhos e sirva em seguida.

      Rendimento: 5 unidades.

      Tempo de preparo: 20 minutos.

       

      Moqueca de caju

      Ingredientes:
      6 cajus maduros e firmes, sem as castanhas (770 g)
      3 colheres de sopa de Azeite de Oliva Tipo Único
      2 cebolas médias cortadas em rodelas finas (300 g)
      1/2 pimentão vermelho médio cortado em tirinhas (110 g)
      1/2 pimentão amarelo médio cortado em tirinhas (110 g)
      2 tomates maduros médios, em rodelas (280 g)
      1/2 colher de chá de AJI-NO-MOTO®
      1 colher de chá de sal
      1 vidro de leite de coco (200 ml)
      1/2 xícara de chá de água (100 ml)
      1/2 xícara de chá de castanhas de caju torradas, sem sal, quebradas
      2 colheres de sopa de cheiro-verde picado

      Modo de fazer:
      Com a ponta de um garfo, fure o caju em vários pontos e esprema ligeiramente com a mão para extrair o excesso de líquido. Corte em cubos médios e reserve.

      Em uma panela média, coloque 1 colher de sopa de Azeite de Oliva e leve ao fogo médio para aquecer. Junte o caju e refogue por 3 minutos, ou até dourar ligeiramente. Transfira para um recipiente e reserve.

      Na mesma panela, coloque o Azeite de Oliva restante e deixe aquecer. Junte a cebola e refogue-a por 2 minutos ou até murchar. Acrescente os pimentões, o tomate, o caju reservado, o AJI-NO-MOTO® e o sal, e misture cuidadosamente. Regue com o leite de coco e a água, e cozinhe em fogo baixo, com a panela tampada, por 10 minutos.

      Retire do fogo, adicione as castanhas e o cheiro-verde, e sirva em seguida.

      Rendimento: 6 porções.

      Tempo de preparo: 30 minutos.

      Dica: sirva com arroz branco e farofa de coco.

       

      Farofa de coco

      Ingredientes:
      1 colher de sopa de manteiga sem sal
      3 colheres de sopa de Azeite de Oliva Tipo Único
      2 cebolas grandes cortadas em cubinhos (400 g)
      1 xícara de chá de coco desidratado em flocos (50 g)
      1 sachê de Tempero SAZÓN® Amarelo
      2 pitadas de sal
      1 xícara de farinha de mandioca torrada (140 g)
      2 colheres (sopa) de cebolinha verde picada

      Modo de fazer:
      Em uma panela média, coloque a manteiga e o Azeite de Oliva e leve ao fogo médio para aquecer. Junte a cebola e refogue, mexendo às vezes, por 8 minutos ou até dourar. Acrescente o coco, o Tempero SAZÓN® e o sal, e refogue por mais 1 minuto. Adicione a farinha de mandioca e cozinhe por 2 minutos, mexendo sem parar.

      Retire do fogo, salpique a cebolinha e sirva em seguida.

      Rendimento: 6 porções.

      Tempo de preparo: 25 minutos.

      E agora, o prato pronto com as três receitas juntas:

      Apenas uma delícia! Sabores super marcantes em um prato incrível. Vale a pena testar estas receitas por aí 🙂

        Sobre a mulher brasileira e o espírito olímpico

         

        Os jogos olímpicos do Rio estão causando grande impacto na vida dos brasileiros, principalmente pela emoção promovida pelo esporte feminino. Eu não poderia deixar de escrever sobre esse assunto, já que me identifico com a luta de cada uma das atletas que se emocionam com cada vitória. A primeira medalha de ouro veio pelo suor e luta de Rafaela Silva no judô. Uma brasileira batalhadora.

        E hoje tem espetáculo do futebol feminino novamente, que está encantando a todos. Aquele time que joga junto, mostrando o verdadeiro espírito de equipe.

        Entre exemplos como o da menina que disputou a sua primeira olimpíada como ginasta graças à mãe que pedia dinheiro emprestado aos vizinhos para ajudar no transporte para a filha conseguir treinar, há a esgrima que chegou onde jamais um brasileiro havia chegado e as atletas do rúgbi, que fizeram história este ano.

        Dos esportes que a gente já conhecia até aqueles que mal sabemos as regras, todas as mulheres mostram algo em comum: raça e determinação em uma história de luta para conseguir um espaço para treinar e se destacar.

        Elas são o retrato da mulher brasileira. Aquela mulher que batalha diariamente para conquistar o seu espaço. Aquela mulher que já ouviu que não era capaz de chegar tão longe. Quantas mulheres não foram discriminadas ou excluídas e marginalizadas daquilo que gostam – e sabem – de fazer porque alguém simplesmente foi preconceituoso?

        As Olimpíadas estão aqui para mostrar com toda a força que somos capazes de fazer qualquer coisa. Sim, nós podemos vencer. Porque a Marta que existe dentro de cada uma de nós, nos faz querer lutar, vencer e seguir em frente. Independente de qualquer dificuldade.

        É impossível ficar indiferente e não admirar a coragem com que a dupla egípcia – pela primeira vez na história – jogou vôlei de praia. É emocionante assistir uma mulher subir no alto do pódio e se orgulhar de representar seu país.

        Essas mulheres representam todas nós e me sinto honrada em ser mulher e, principalmente, brasileira. Ainda estamos longe da igualdade, mas sinto que estamos cada vez mais próximas de chegar lá. Eu acredito.

        selecao feminina

        egito-alemanh

        judo

          13 de março de 2016.

           

          Antes que você comece a ler, este não é um post político, partidário ou rebelde. Fui sim ontem à manifestação por um Brasil melhor na Avenida Paulista em São Paulo, mas as lições que eu trouxe na bagagem vão muito além dos protestos.

          Apesar de todos os fatos negativos no cenário da política e economia brasileira, podemos tirar algumas lições valiosas para encontrarmos aquele futuro que a gente tanto deseja para nós mesmos e as gerações que estão por vir. Acredito que nos momentos de maiores crises é que demonstramos nossa força de vontade e criatividade para superar os obstáculos. Nem sempre é fácil reconhecer isso, principalmente quando fazemos parte do problema, mas depois que a gente consegue superá-lo, de certa forma saímos mais fortes e confiantes.

          Outro ponto importante para resolver uma crise, é tentar não repetir as ações que motivaram seu acontecimento. E isso sim é responsabilidade de todos nós; é problema meu, seu, da sua família, dos seus colegas de trabalho, do porteiro do seu prédio, do seu vizinho e daquela tia distante que mora no interior. Se o problema não tocar igualmente a todos nós, fica impossível buscar uma saída. Claro que eu tenho que fazer a minha parte e ir atrás daquilo que eu acredito, mas não sou capaz de mobilizar grandes ações sozinha.

          Sou consciente que tenho que fazer a minha parte. Mas você também tem que ajudar e fazer a sua. Cansei de reclamar da minha vida e não tomar nenhuma atitude para mudá-la. Se sou infeliz no meu emprego, não adianta acordar todos os dias e fazer a mesma coisa em um lugar que não me agrada e ainda passar o dia de mau humor. Se cansei de estar acima do peso, não é lamentando os quilos que tenho a mais em cima do sofá que irei emagrecer. Não adianta reclamar que a casa está suja se você continuar jogando lixo no chão.

          A diferença entre o problema e a solução é a atitude. Se não gosta da vida do jeito que está, levanta e muda. Acredita. Apenas com ações seremos capazes de mudar e só com ações é que iremos progredir e vencer. Quero ser um exemplo daquela pessoa que luta até o final; porque enquanto houver esperança, ainda há ações.

          brasil