Desafio dos 100 reais: Zôdio Brasil

 

Está no ar mais um vídeo no canal do blog no Youtube! E desta vez, eu e Carol estamos lançando um novo quadro no canal: O DESAFIO DOS 100 REAIS. Isso mesmo, a gente se desafiou e vai sair por aí nas lojas mais famosas e concorridas do Brasil para mostrar o que é possível comprar com a verba de R$ 100.

Aperte o play e confira este desafio:

Veja as nossas compras e também vote na sua favorita:

E nos ajude a escolher qual será o nosso próximo destino. Conta aqui: onde devemos aproveitar nossos R$ 100 ??

    O desafio dos utensílios misteriosos

     

    Hoje é dia de vídeo novo em nosso canal do Youtube! Lançamos um desafio e um pedido de ajuda aos nossos leitores para que possamos gravar os próximos vídeos dessa série 🙂

    Vem conferir, dar risada da bagunça das gavetas dessa Casa e ajudar a gente a desvendar os mistérios dos utensílios domésticos misteriosos.

    Conta pra gente o que achou do vídeo e deixe aqui em nossos comentários para quê servem os utensílios e em quais receitas usar. Precisamos da sua ajuda para tornar estes objetos úteis 😛

    IMG_6273

     

      O desafio, o ralo da pia e o sal…

      Por Peu.

      “Postei em meu perfil do Facebook o post da receita na panela de arroz para ver se alguém me desafiava, mas diferente do que esperava o desafio veio de dentro de casa… rsrsrs

      Até tu Brutos!!!

      Alguns finais de semana atrás, eu e minha namorada viajamos para Monte Verde, MG e durante a semana anterior à viagem, já estava tudo meio planejado (por ela, lógico! Planejar não combina comigo rsrsrs). Alguns dias antes de irmos, ela me falou do desafio que eu tinha colocado na rede social e me desafiou a fazer o almoço de um dos dias que ficaríamos no chalé.

      Topei! Pensei e contei o cardápio planejado (tinha que ser algo rápido, prático e que os dois gostassem): shimeji na manteiga e guioza ao vapor.

      Pulando a parte da história sobre a loucura que foi aquela estranha noite (comigo no volante), o chalé e a cidade que são super legais e que tem esquilos invisíveis*, vamos para a parte da “cozinha”.

      Você aí do outro lado, que nunca cozinhou shimeji, não sabe o que é cheiro ruim. Quem me conhece sabe que eu não sou fresco e não me importaria se o cheiro não fosse realmente forte. E se for pra fazer uma analogia com força, o fedor do shimeji é tipo o Chuck Norris dos fedores!!!! O bagulho fede, mas é gostoso rsrsr…

      Compramos uma bandeja de shimeji e duas de guioza em um daquelas lojinhas japa que tem escondidas no bairro de todo mundo. Se no seu você acha que não tem, é porque você ainda não procurou direito.

      Caso consiga sobreviver ao cheiro, é preciso dar uma limpada e lavada no bendito do shimeji.  Foi nesse momento que entupimos o ralo da pia do chalé (deu trabalho, mas conseguimos reverter a situação e não morremos afogados rsrsrs… e o ralo também sobreviveu).

      Depois do shimeji lavado e do ralo estar respirando novamente, é preciso separar os “galhos”, “cogumelinho”, ”hastes” ou seja lá o nome que você de para aquilo. Como o shimeji era meu, o nome que eu dou é bagulhinhos… Bagulhinhos separados e limpos é só colocar na panela de arroz com um pouco de manteiga (mais ou menos uma colher pra uma bandeja), fechar e deixar  “… acontecer naturalmente…” rsrsrs não sei o nome e nem quem canta, mas tem uma ‘música’ que fala isso!

      1

      Neste momento já dá pra aproveitar e colocar o guioza pra ir cozinhando no vapor. Eu não coloco nada, só tiro da bandeja, passo uma água e já era. É só usar a cestinha que vem com a maioria das panelas de arroz:

      2

      O importante é ficar sempre de olho pra ver se a panela de arroz não desarma e se precisa de um pouco mais de água (o próprio shimeji solta um pouco de água depois de um tempinho).

      Depois que ele der uma murchada e já estiver meio cozidinho é só colocar um pouco de shoyu. Vai no “olhômetro”, não precisa deixar o negocio boiando, mas também não precisa deixar seco e pálido, a quantidade vai de acordo com o seu gosto.

      3

      É aqui que entra o último personagem da história, o sal. Crianças: nunca esqueçam o shimeji com shoyu na panela ou deixem ele ferver muito. Quanto mais ferver mais salgado o negócio fica! No final eu não sabia se tava comendo shimeji ou sopa de carne seca com shoyu rsrsrs…

      Mas entre mortos e feridos todos sobreviveram (e comeram).

      É isso aí pessoal… pra quem quiser descansar, Monte Verde é show… shimeji e guioza são super práticos de fazer (principalmente se você compra pronto rsrsrs)… Espero que não cometam o mesmo erro que eu e qualquer duvida é só mandar por aqui que eu respondo.

      4

      Grande Abraço

      Lição do dia: A vida não é feita só de acertos. Desafio vencido!”