Um final de semana em Cunha

 

Este final de semana foi super especial por aqui 🙂

Consegui reunir uma parte da família e fomos para Cunha, no interior de São Paulo. Com quase 22 mil habitantes, a cidade fica a pouco mais de 250 km da capital, na região do alto Paraíba. O município  ocupa 1.410 km² de colinas e montanhas, aninhadas entre as serras da Quebra-Cangalha, da Bocaina e do Mar. Limita-se com Ubatuba, São Luiz de Paraitinga, Lagoinha, Guaratinguetá, Lorena, Silveiras, Areias, São José de Barreiro no estado de São Paulo e Angra dos Reis e Paraty no estado do Rio de Janeiro.

Com altitude média de 1.100m, o ponto mais alto da cidade é o Pico da Pedra da Macela, a 1.840m do nível do mar; ponto super especial em que é possível avistar Angra dos Reis e Paraty com uma vista de tirar o fôlego. Infelizmente, não conseguimos fazer esta trilha desta vez. Por ser bem cansativo e exigir um preparo físico extra, deixamos para uma outra oportunidade…

Mesmo assim não faltaram atividades em meio à natureza, estúdios de cerâmica, cervejas artesanais e muita história.

Saímos de São Paulo bem cedo e seguimos em direção à Cunha pela Rodovia Dutra: com duração de pouco mais de 3 horas e 30 minutos de viagem, chegamos ao nosso destino em um sábado frio porém ensolarado e sem nuvens. Nossa escolha de hospedagem foi a pousada Cheiro da Terra. Com ótima localização e atendimento super cordial, cada parte da família ficou hospedada em um chalé diferente super aconchegante e confortável.

Em seguida, saímos para explorar a cidade e fomos conhecer o Ateliê da Cerâmica, a igreja matriz e almoçamos por ali mesmo (em breve irei escrever especialmente sobre os lugares que fizemos nossas refeições e recomendar comidinhas deliciosas para quem está planejando uma viagem para Cunha, não deixe de acompanhar os próximos posts!).

A pausa para o café da tarde ficou por conta do Moara Café: um dos lugares mais fofos que já fui com uma mistura de plantinhas, comida caseira, empório e exposição de antiguidades… tudo muito lindo e super especial. Esta é uma parada obrigatória!

Em seguida fomos ao Contemplário e depois ao Lavandário. Ambos ficam na mesma estrada e é possível visitar os dois locais no mesmo dia. Primeiro fomos ao Contemplário para conhecer as plantações de lavanda, alecrim e outras ervas. Em seguida, fomos ao Lavandário para admirar o por do sol, um dos mais lindos da região (que eu já vi na vida!).

Se você está procurando um lugar para descansar e conectar-se à natureza, Cunha é o lugar. Em todos os lugares que passamos, é possível sentir a paz e a tranquilidade de uma cidade que vive do turismo e do seu comércio local de cerâmica, pinhão e shitake.

Além disso, a hospedagem e as refeições oferecem um ótimo custo x benefício em um lugar bem pertinho de São Paulo.

Esse foi só o primeiro post, pra dar aquele gostinho de ‘quero mais’. Irei compartilhar por aqui sobre as comidinhas e vem aí um vlog com mais detalhes dos passeios.
Não perca 🙂

    Vídeo novo: viagem Tramontina

     

    E hoje tem vídeo novo no ar!

    Na semana do dia 5 de março fui convidada pela Tramontina para conhecer a TEEC – fábrica que produz os equipamentos de cozinha da marca – em Carlos Barbosa, no Rio Grande do Sul.

    Com uma estrutura moderna, grande parte da fábrica é automatizada e robotizada. São produzidos diariamente mais de 7 mil itens entre pias, cubas, tanques, coifas, cooktops, fornos, lixeiras, cachepôs e acessórios.

    A Tramontina atua no mercado brasileiro e no exterior com 10 fábricas no Brasil (sendo 8 no estado do Rio Grande do Sul) e 16 centros de distribuição fora do país. É uma empresa familiar com mais de 107 anos de compromisso com o cliente e com a gestão da qualidade.

    No dia da visita foi possível acompanhar a produção de coifas (única empresa no Brasil com produção de coifas no próprio país) e comprovar a qualidade e o carinho com o que tudo ali é desenvolvido.

    Além disso, pudemos conhecer a loja conceito da Tramontina em Farroupilha e se apaixonar pelas pessoas e pelas cidades gaúchas.

    Aperta o play e vem comigo nessa viagem!

    E aí, o que achou desta viagem?

    Corre pro canal da Casa da Caubi no Youtube e se inscreva pra receber as novidades antes de todo mundo! 🙂

      Vídeo: Valparaíso e Viña del Mar

       

      Continuando a série de posts pelo Chile, hoje tem mais um blog no Canal no Youtube! Eu e Carol vamos contar um pouquinho mais sobre o bate e volta à Valparaíso e Viña del Mar. Depois da aventura à Cajón del Maipo, resolvemos fazer este passeio por conta própria.

      Fomos até à estação rodoviária e compramos passagem de ônibus até Valparaíso por 3.500 pesos ~ cerca de 18 reais ~ que fica a 130km de Santiago em pouco mais de 1 hora de viagem. Aperta o play pra conferir!

      Valparaíso é uma cidade portuária e patrimônio da Unesco, com artes a céu aberto espalhadas por todo o canto.
      Nossa primeira parada foi em La Sebastiana, uma das casas de Pablo Neruda que se tornou um museu aberto à visitação. Por 7 mil pesos é possível explorar cada cantinho de onde o escritor morou e conhecer um pouco mais de sua história. Vale a visita!

      E saindo do museu, seguimos sem rumo pelos altos e baixos da cidade. Literalmente. São mais de 40 morros pela cidade: esteja disposto a caminhar bastante! O que ajuda também são os ascensores espalhados pela cidade, que são uma espécie de elevador e bondinho bem baratos e que sobem e descem até os cerros que existem na cidade.

       

       

      Aproveite e curta cada cantinho e cada parede colorida de Valparaíso!
      Para o almoço, fizemos uma pausa em La Concepción ~ um restaurante com vista para o porto e comida maravilhosa!

      Depois do almoço, seguimos de Uber a Viña del Mar. A apenas 9 km de Valparaíso, a viagem durou cerca de 10 minutos. Caminhamos pelo calçadão

      e fomos conhecer o famoso relógio de flores da cidade. Logo depois, tive que matar a vontade de colocar os pés no mar do Oceano Pacífico. Que água gelada! Mas valeu a pena.

      Dá para visitar as duas cidades em um único dia, adoramos fazer este passeio.

      E aí, o que achou dessa aventura?
      Conta pra gente 🙂

        Vídeo: Cajón del Maipo e Embase el Yeso

         

        Este capítulo da viagem ao Chile vai ser um pouquinho diferente: vamos contar os detalhes em vídeo. Isso mesmo! Fizemos um vlog super especial para mostrar a nossa aventura para Cajón del Maipo e Embase el Yeso. Aperta o play aqui:

        A menos de 20km da capital Santiago (e a cerca de 1h30 de viagem devido à estrada ser bem estreita), a região de Cajón del Maipo e Embase el Yeso vale a pena ser visitada! Contratamos um tour no Mercado Central de Santiago e saímos logo cedo em direção a Embase el Yeso. Nosso passeio começou em San José de Maipo, uma aldeia pequena fundada em 1792. Lá, fizemos uma pequena pausa para tomar um café e seguimos viagem em direção ao destino final. Então, seguimos até o reservatório El Yeso, localizado a 2.500 metros acima do nível do mar, e a principal reserva de água de Santiago. A paisagem é de tirar o fôlego. Literalmente.

        O serviço de tour que contratamos não seguia viagem até o destino final… fomos de ônibus, que não subia até o topo da montanha em Yeso. Ou seja, tivemos que ir caminhando. Apesar da paisagem maravilhosa, foi bem cansativo: tivemos que subir cerca de 4km a pé a 5.000 metros de altitude! Ainda bem que não estava tão frio e que já era primavera. É importante saber: antes de ir, veja as condições climáticas pois durante o período de neve, a caminhada se torna ainda mais difícil e perigosa.

        Claro que a caminhada valeu a pena. Cheguei cansada, mas a paisagem é maravilhosa em uma vista surreal: mistura de montanha, neve e lago em cores lindas. Mas acredito que poderia ter sido melhor. Quando chegamos ao topo da montanha, vimos várias vans que levaram seus passageiros até lá, com água, comida e vinho (snif!).

        Nós fizemos nosso lanche apenas na volta, depois de descer mais 4km a pé. Pelo menos na descida foi um pouco menos cansativa.

        Contratamos a empresa chamada Turistik ~ por 50 mil pesos, ou cerca de 250 reais, que nos levou até as montanhas. Vale a pena pesquisar as empresas que fazem este passeio antes de fechar. Com deixamos para definir este passeio na hora, faltaram opções para uma busca melhor. Fica a dica: pesquise e pergunte muito!

        Vá com roupas confortáveis e leve com você sempre uma garrafa de água. Apesar da aventura ~ e de alguns perrengues ~, este é um passeio imperdível, que nos proporciona fotos maravilhosas em uma paisagem tranquila e silenciosa.

        Conte o que achou do passeio e do nosso vlog! 🙂