Confraria Gallo e o ritual da Tiborna

 

Para quem acompanha o blog nas redes sociais, viu que está rolando uma parceria muito legal com a marca de azeites Gallo. Fui convidada para fazer parte da Confraria Gallo para compartilhar experiências, conhecer os produtos, novas receitas e é claro, saborear muito azeite!

E preciso confessar que depois que entrei para a Confraria, meu jeito de degustar azeite e usar este ingrediente na cozinha mudou completamente. Ao longo das próximas semanas vou postar por aqui algumas técnicas de degustação que aprendi para te ajudar a escolher o azeite que combina melhor com o seu paladar 😉
São tantas opções e tantas variações que fica difícil escolher um único favorito. E descobri também que além das tradicionais receitas que estamos acostumados a ver por aí, também é possível ~ e delicioso ~ preparar doces com azeite. Em breve também postarei uma receita de brigadeiro com azeite surpreendente! Fiquem de olho por aqui.

E uma das coisas mais legais que aprendi com esta Confraria foi o Ritual da Tiborna! Este ritual consiste em colocar porções de azeite em potinhos individuais e acrescentar temperos de acordo com o gosto de cada um ~ entre os temperos, é possível escolher e servir à mesa pimenta rosa, flor de sal, cúrcuma, açúcar mascavo, páprica, etc; E, seguida, disponha fatias de pão quentinho para que cada pessoa possa fazer sua mistura e ressaltar o sabor do azeite como preferir.

Para reunir a família e amigos é uma delícia e impossível resistir! Já provei, servi aqui em casa e foi um sucesso. Vale a pena testar como entradinha, acompanhada por um bom vinho. É um jeito simples para confraternizar, compartilhar e dividir experiências de sabores e harmonizações.

E aí, gostou deste ritual?
Conta por aqui 🙂

    Paulista de sotaque e raízes caipiras. Aquariana, corinthiana, administradora, eterna romântica e dona de casa amante de panos de prato, potinhos e canecas. Um pouco fotógrafa, aprendiz de escritora, cozinheira em evolução e sempre otimista. Dramática e criativa, acabou de chegar aos 30 com histórias [quase] normais.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    *
    *