Pitadas da Rita Lobo: picanha assada com sal grosso

 

E essa semana começa super bem com uma receita da Rita Lobo. Ganhei este livro no ano passado e confesso que é um dos meus favoritos. O jeito simples e fácil de explicar até as receitas mais complicadas torna o “Pitadas da Rita” um livro que precisa estar sempre à mão para quem quer testar coisa nova.

Dessa vez, eu fiz a receita da página 196: picanha assada com sal grosso. Para quem ama churrasco vai adorar essa alternativa à churrasqueira; bem rápido de fazer, fica deliciosa. Veja aqui como fazer para colocar na sua agenda de receitas da semana.

IMG_2520

Ingredientes (para 6 pessoas):
1 peça de picanha de até 1,2kg
4 claras
1kg de sal grosso
1/2 xícara de chá de farinha de trigo
Ramos de tomilho a gosto

Modo de fazer:
Preaqueça o forno a 220 graus.

Numa tigela, coloque as claras, o sal grosso, a farinha e misture rapidamente com uma colher.

Numa assadeira, coloque 1/3 da mistura de sal grosso e espalhe com as mãos até obter uma camada do tamanho da carne. Disponha o tomilho sobre o sal grosso e coloque a picanha sobre essa camada, com a gordura virada para cima. Despeje o restante do sal sobre a carne e espalhe, para que envolva a picanha uniformemente e pressione para que fique bem firme.

Leve a picanha ao forno, baixe a temperatura para 200 graus e deixe assar por 40 minutos para servir a carne malpassada; 1 hora e a carne fica ao ponto; se quiser bem passada precisa deixar assar por 1 hora e 20 minutos.

A camada de sal grosso depois de assada torna-se uma placa bem dura e levemente dourada. Com o auxílio de uma faca, retire a placa e raspe o excesso de sal da carne.

Coloque a carne numa tábua e corte fatias bem finas. Se quiser, coloque a placa de sal grosso novamente sobre a carne fatiada e sirva a seguir com mais ramos de tomilho para decorar. Tempere com pimenta-do-reino moída na hora e sirva em seguida.

IMG_2530

E aí, curtiu essa receita? Já fez por aí? Conta pra gente! 🙂

    Paulista de sotaque e raízes caipiras. Aquariana, corinthiana, administradora, eterna romântica e dona de casa amante de panos de prato, potinhos e canecas. Um pouco fotógrafa, aprendiz de escritora, cozinheira em evolução e sempre otimista. Dramática e criativa, acabou de chegar aos 30 com histórias [quase] normais.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    *
    *