Batata rosti

Que tal conferir uma receita deliciosa e super fácil de fazer? A sugestão de hoje é a batata rosti. Tradicional da Suíça, O termo Rösti refere-se também a produtos que, uma vez preparados, ficam dourados e crocantes.

Então que tal acrescentar estes ingredientes ao seu dia?

Esta receita foi feita na frigideira funda com alça non-stick da Le Creuset. Para mais detalhes, clique aqui.

Veja o passo a passo dessa delícia:

Ingredientes:
6 batatas médias
1/2 xícara de chá de queijo meia-cura ralado
1/2 xícara de chá de queijo muçarela
1 colher de sopa de azeite
Sal e pimenta a gosto

Modo de fazer:
Cozinhe as batatas na água até que fiquem levemente macias. Descasque e passe no ralador. Em seguida, abra um pano de prato limpo e coloque as batatas raladas no centro. Una as pontas do pano, formando uma trouxinha, torça e esprema bem para extrair toda a água das batatas – isso evita que elas grudem na frigideira na hora de fazer a rosti – e tempere com sal e pimenta. Despreze toda a água.

Leve ao fogo a frigideira e deixe aquecer. Em seguida, adicione o azeite e distribua metade das batatas raladas, até cobrir o fundo da frigideira. Com a ajuda de uma espátula, espalhe as batatas até ficarem uniformes.

Acrescente os queijos ralados no centro da batata, para formar o recheio. E em seguida, despeje o restante das batatas, para cobrir o queijo e pressione, para conseguir virar com facilidade logo em seguida. Deixe cozinhar por cerca de 10 minutos para que a batata fique dourada e o queijo comece a derreter. 

Retire a frigideira do fogo e vire-a em um prato grande para trocar o lado da batata. Logo depois, vire o conteúdo do prato na frigideira para dourar o outro lado e cozinhe por 10 minutos.  

Sirva a seguir e bom apetite! 

Você pode acrescentar o recheio de sua preferência e ser feliz com essa receita! Aproveite 🙂

    Paulista de sotaque e raízes caipiras. Aquariana, corinthiana, administradora, eterna romântica e dona de casa amante de panos de prato, potinhos e canecas. Um pouco fotógrafa, aprendiz de escritora, cozinheira em evolução e sempre otimista. Dramática e criativa, atravessando os 30 com histórias [quase] normais.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

    *
    *